0





A princípio, quero lembrar-vos de que o Senhor Deus falou a Moisés, dizendo: "Não matarás"(Exodo 20.13). isso quer dizer que o ser humano deve amar seu semelhante, e uma das demonstrações deste amor está no ato de zelar pela vida do próximo, exercendo amor, não violência, nem ódio, em qualquer de sua forma, pois Jesus, cumprindo a lei, estabeleceu que, mesmo se o ser humano intentar mau, ódio em seu coração, desejando tão somente a destruição do próximo, já é réu de homicídio. (Mateus 5.21,22). Deste modo, como o ser humano pode desculpar-se perante Deus quando pratica o aborto, um ato desumano, sujo, totalmente diabólico em qualquer de suas formas? Como alguém que se diz cristão pode tolerar e apoiar este ato tão diabólico, onde vidas de inocentes são destruídas antes mesmo deles enxergarem a luz solar que ilumina nosso planeta? O aborto, na verdade, é um tipo de infanticídio, além de ir totalmente contra a lei de Deus, vai também contra as leis da natureza, ao passo que um ser destroi seu semelhante, sendo que o segundo não consegue se defender por si mesmo. Além disso, com o aborto, o ser humano está descumprindo mais uma ordenança divina além das supracitadas: "frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra" (Gênesis 1.28).

 Como frutificar e multiplicar, melhor, gerar descendentes, se o aborto é contra esse princípio? Queria perguntar ao senhor por nome Edir Macedo, que proclama ser cristão, onde este se apóia biblicamente, para defender o aborto? Sim, não temo a justiça, mas sim o Deus dos Céus e da Terra. Este e diante da Palavra dEle eu tremo e temo. Na Biblia, em 2º. Cronicas 28.3, existe o relato de uma prática pagã exercida em Judá nos tempos de Acaz, um rei ímpio que reinou em Jerusalém: "Também queimou incenso no vale do Filho de Hinom, e queimou os seus filhos, conforme as abominações dos gentios que o SENHOR tinha desterrado de diante dos filhos de Israel." Imagine a abominação de uma religião que oferece crianças em sacrificio. Deus permitiu que Judá fosse derrotada como castigo pelas práticas criminosas de Acaz, e até hoje, essa prática não foi eliminada. O sacrifício de crianças aos desapiedados deuses da conveniência, da economia e dos caprichos continua a existir em clínicas de aborto; o número de vítimas provavelmente horrorizariam até o cruel Acaz. Se desejamos que as crianças conheçam a Cristo (Mateus 19.14), deveremos primeiro permitir que elas nasçam. (Biblia de Aplicação Pessoal CPAD).
Alguns tentam usar a Biblia como argumento aceitável para o aborto. No livro de Êxodo 21.22,23, a Palavra Eterna nos diz: "Se alguns homens pelejarem, e um ferir uma mulher grávida, e for causa de que aborte, porém, não havendo outro dano, certamente será multado, conforme o que lhe impuser o marido da mulher, e julgarem os juízes. Mas se houver morte, então darás vida por vida."
A Palavra de Deus considera a vida de um feto como a vida de um adulto. Não temos aqui uma brecha para aceitar o aborto. pelo contrário, a multa imposta a quem causasse um parto prematuro tinha como objetivo auxiliar a mulher em suas dificuldades. Mas, se do parto sobreviesse morte, não se aceitaria reparação financeira: seria vida por vida. Deve-se notar que a palavra original hebraica empregada aqui é yatsa, que significa literalmente sair ou dar a luz-jamais tem o sentido de aborto voluntário.

E mais: Em Jeremias 1.5 A Palavra de Deus fala claramente: "Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta" ..embriologia pura!!!Deus considera o feto como um ser humano, está escrito. Assim Ele falou ao profeta Jeremias. 

Como se vê não há desculpas para a realização deste ato criminoso. Mas há uma advertência para os assassinos que praticam isso: Apocalipse 21.8 "Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte". Palavras de Jesus Cristo Ressurreto e Glorificado.

0

Este louvor verdadeiramente em adoração ao Senhor Jesus nos fala do Amor de Nosso Deus demonstrado na Cruz do Calvário. Amor por mim, por você, por todos os que crêem n'Ele como Salvador.

3








Paz do Senhor Jesus Cristo a todo verdadeiro cristão que le esta postagem.


Texto bíblico: Mateus 7.13,14: "Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem."


A cada dia que passa maior aumento ocorre do número de adeptos dos movimentos ecumênicos propagados por cantores ''popgospeis'' e ''padres e bandas católicas", e pasmem, já tem pastores frequentando bailes, exposições agropecuarias e ''cantando louvores'' junto com cantores que propagam prostituição, libertinagem, adulterios em suas populares músicas, sob a desculpa de que ''importa que preguemos o Evangelho (ou seria encontremos fama?)".  


A Biblia Apologética, editada pelo ICP, resume em poucas mais enérgicas palavras o que é ecumenismo: "Movimento que visa à unificação das igrejas cristãs. Eis a definição eclesiastica mais abrangente: é a aproximação , a cooperação, a busca fraterna da superação das divisões entre as diferentes igrejas (2 Co 6.14). A Bíblia nos afirma que só há duas portas e dois caminhos (Mt 7.13,14) e que ninguém pode servir a dois senhores (Mt 6.24). Deus exige adoração exclusiva à Ele (Dt 6.5; Êx 20.5)". Em nossos dias, já presenciei uma vertente da Metodista praticar um ecumenismo com a ICAR: melhor, um intercâmbio, já que os pastores foram a ICAR e pregaram (sei lá o que) e em data seguinte, o padre da ICAR pregou na Metodista. Fora a moda de nossos dias, em que supostos ''adoradores protestantes'' sobem ao palanque junto com adoradores de pau e pedra e fazem pactos, cantam juntos, como se o Evangelho fosse algo a ser ignorado, e a filosofia e desejo de união "entre as religiões'', (categorizo de prostituição espiritual) estivesse acima do poder do Evangelho de Cristo Jesus. É tempo de peneirar o que de fato é lícito e o que não é. É tempo de viver o Evangelho verdadeiro, e deixar de lado as mentiras pregadas por religiosos e mercenários da fé que se intitulam pastores, profetas, levitas e cantores. Chega de mistura, chega de novas doutrinas.


Foi com tristeza que vi um pastor subir ao palco com um cantor de forró. Porque o pastor ao chegar naquele local não pregou a Palavra que é verdade, não falou do verdadeiro Cristo Jesus, não pregou arrependimento, salvação e juízo para os incrédulos? Porque hoje os cantores deixaram de compor e interpretar hinos que exaltam o Senhor Jesus, e preferem músicas e letras antropocêntricas, e pior, até mesmo erotizadas? Porque hoje o povo dito protestante parou de protestar e está aos poucos retornando aos rudimentos e mentiras religiosas? Hoje, o cidadão canta uma para o diabo e depois imita uma para Deus, e assim se segue o ''falso crescimento'' (inchaço) da igreja brasuca. Já existem crentes professos que frequentam missas e até mesmo rezam junto com padres teleevangelistas e radialistas (sim, já vi crente professo dizer que certo padre católico radioteleevangelista é um profeta em razão de suas ''profetadas e adivinhações feitas no ar'')


Segundo Dennis Alan (http://www.estudosdabiblia.net/d142.htm)''a mesma palavra pode ter sentidos diferentes. O termo “ecumenismo” é usado de maneiras diferentes em diversos contextos. Pode se referir aos movimentos que promovem “ecumenismo cristão”, fraternidade entre as religiões chamadas cristãs. Algumas organizações procuram relações entre protestantes, outras entre católicos e protestantes, etc. Um sentido mais abrangente, chamado, às vezes, de macro-ecumenismo, representa movimentos para paz, tolerância e união entre as diversas religiões – católicos, protestantes, budistas, hinduístas, judeus, muçulmanos, etc. Estes movimentos envolvem vários níveis ou aspectos. Manchetes falam de reuniões entre líderes religiosos para promover a tolerância e a compreensão. Várias organizações religiosas, às vezes, juntam forças para realizar obras sociais e culturais. Outras iniciativas buscam minimizar diferenças teológicas e doutrinárias, dizendo que as diversas religiões são boas e igualmente válidas e que todas buscam os mesmos benefícios para os homens.''






O pluralismo é integralmente interligado ao ecumenismo. É a idéia de não existir verdade absoluta, assim aceitando “verdades” divergentes como igualmente válidas. Se aplicasse a mesma noção na sala de aula, uma professora elogiaria um aluno que respondesse que 2 + 2 = 4, e daria a mesma aprovação para outro que dissesse que 2 + 2 = 8. Cada um tem a sua própria verdade.
No “ecumenismo cristão”, pessoas de igrejas diferentes aplicam o pluralismo para decidir que algumas doutrinas são essenciais, enquanto outras são sujeitas à interpretação, tradição e opiniões próprias. Desta maneira, podem achar essencial acreditar na morte e ressurreição de Jesus, mas não importante aceitar o que ele diz sobre o batismo. Podem dizer que é importante acreditar em Jesus, mas não precisa, necessariamente, acreditar nos milagres ou nos ensinamentos dele.


No “macro-ecumenismo”, o pluralismo iguala tantas doutrinas diferentes que as únicas verdades universais são algumas noções muito generalizadas. Por exemplo, é importante promover a paz, o amor e a felicidade dos seres humanos. Passando destas idéias básicas, já entrariam em conflito.
Em geral, quanto mais abrangente o ecumenismo, menor a “verdade”.






Quando ecumênicos procuram aprovação de Deus, sempre destacam o amor dele, que é uma característica importantíssima da natureza divina (1 João 4:8). Mas, para tentar justificar a união do sagrado com o profano, esquecem da santidade dele, um outro aspecto fundamental de seu caráter (Apocalipse 4:8). O ecumenismo depende de uma teologia desequilibrada.


No Velho Testamento, Deus sempre exigia pureza, santificação e separação das outras religiões. Antes de subir a Betel (casa de Deus), a família de Jacó teve que lançar fora seus “outros deuses” (Gênesis 35:2). Deus falou para Israel não ter nenhum outro Deus (Êxodo 20:1-3), e exigia uma intolerância absoluta em relação aos outros (falsos) deuses (Êxodo 22:20; 23:24). Adoração de qualquer outro deus é vista como desvio do Senhor (Êxodo 32:8; Juízes 2:12; 10:6). Josué insistiu na importância de servir somente o Deus verdadeiro, rejeitando os falsos deuses dos outros povos (Josué 24:14-15). Homens fiéis recusavam servir outros deuses, mesmo quando foram ameaçados de morte (Daniel 3:18).


No Novo Testamento, Deus exige a mesma pureza e santificação. Servir falsos deuses é voltar á escravidão (Gálatas 4:8-9). Por isso, devemos nos guardar dos ídolos (1 João 5:21; 1 Coríntios 10:14), pois a idolatria é um pecado que impede acesso ao reino de Deus e leva à condenação eterna (1 Coríntios 6:9-11; Apocalipse 21:7-8). Os ensinamentos da Nova Aliança não somente condenam a idolatria, mas toda e qualquer forma da impureza (2 Coríntios 6:14 - 7:1). Qualquer um que nos incentiva a aceitar doutrinas que não vêm de Jesus Cristo deve ser rejeitado (Gálatas 1:6-11; 2 João 9).






A pesar das palavras suaves de líderes de diversas igrejas e religiões, o servo de Deus precisa escolher entre o certo e o errado. Os verdadeiros líderes espirituais – as pessoas escolhidas por Deus para guiar o seu povo – não apóiam o pluralismo e o ecumenismo.
● Moisés, o libertador dos israelitas, não foi ecumênico (Deuteronômio 30:15-20). 
● Josué, o homem que guiou o povo na conquista da terra prometida, não foi ecumênico (Josué 24:14-15). 
● O apóstolo Pedro não foi ecumênico (Atos 2:36; 4:12). 
● O apóstolo Paulo não foi ecumênico (Colossenses 2:20 - 3:4). 
● Jesus Cristo, o Filho de Deus, não é ecumênico (Mateus 7:13-14)."






[créditos Dennis Alan (http://www.estudosdabiblia.net/d142.htm]


É tempo de protestarmos novamente contra esses que, em nome da fama e fortuna, tentam dissimular a pureza evangelica da Palavra de Deus. Chega de mentiras, de apostasia! Voltemos à Palavra de Deus e ao verdadeiro cristianismo.

1

Nossa nação está afundada em heresias, falsas religiões, mentiras...muitos dizem servir ao Senhor, porém a cada dia que passa se afastam da Palavra e da pureza do Evangelho. Infelizmente nosso país não tem Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, mas credita tudo a ídolos  mudos e a pseudodeuses (demonios). Brasil, se converta a Jesus Cristo como teu único e suficiente Salvador. Ele está voltando, e você, brasileiro, tem se preparado para isso?

0

Uma conquista o Rio sediar as Olimpíadas 2016? Não.

Basta de mentiras, de política Pão e Circo como nos tempos imperiais romanos. O Brasil precisa de outras conquistas. Precisamos vencer a dengue, a AIDS, o câncer e outras milhares de doenças...nossas crianças ainda morrem de inanição, desnutrição, desidratação e subnutrição não apenas no interior, mas em grandes centros urbanos...vencer a fome em nosso agreste, o analfabetismo em alguns sertões, a falta de água no Nordeste...nosso povo precisa ser justificado, pois nosso país é corrupto, sim...nossos aposentados merecem mais respeito, nossos deficientes mais acessibilidade. Nossos irmãos que vivem em barracos em risco de cair e os sucumbir merecem melhor infraestrutura. Não sou político, mas preciso mexer nessa ferida que não cicatriza há séculos...vi na Tv e na Net o povo comemorando o fato do Rio sediar as Olimpíadas, porém, os mesmos que comemoraram tanto, ao chegar em casa enxergam a dura realidade: famílias desunidas, problemas de saúde não solucionados, falta de emprego para os chefes de família...o investimento nos jogos olímpicos é imenso, é bilionário...dinheiro que poderia ser utilizado em projetos que beneficiassem a longo prazo o povo brasileiro...dinheiro que sai dos nossos bolsos e não mais retornarão...ai vem a desculpa...haverá investimento nos jovens atletas...sim, e estes vira e mexe aparecem na TV reclamando do abandono das entidades, que os usam como propaganda, e depois os lança no anonimato..CHEGA!!! ou o povo brasileiro acorda e reage, ou sempre será a mesma coisa.

Do que adianta a realização de um mega evento, ganhar centenas de medalhas, bater recordes mundiais, se nem a fome, nem a miséria conseguimos vencer!

1

Gl 6.17: "Desde agora, ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus"

Quando Paulo escreveu aos Gálatas essas palavras, ele demonstrava que não era apenas um mensageiro do Evangelho do Senhor Jesus - ele foi além - demonstrou ser um escravo do Senhor Jesus. Sim, ele podia dizer isso. A palavra grega traduzida por marcas, era usada em referência ao estigma produzido pelo ferro em brasa ou pelo ferrete com que se costumava furar as orelhas dos escravos a fim de identificar a que senhor pertenciam. Os muitos sofrimentos de Paulo serviam para distingui-lo como escravo de Cristo. Ele sofreu apedrejamento junto com Barnabé por pregar a Palavra, e foi dado como morto (At 14.19); foi açoitado com varas por pregar a Verdade que liberta as vidas do pecado e da ação do maligno (At 16.22); na sua carta aos Coríntios ele mostra seu curriculum vitae de ''pregador itinerante '', um exemplo para os dias atuais, onde o estrelismo, a fortuna e a fama são mais importantes, já que nossos ''evangelistas'' não abrem mão do conforto e do caviar (2 Co 11.24-8). Além disso, Paulo tinha um espinho na carne, do qual não mencionou o que era, mas é certo que isso o afligia sempre (2 Co 12.7). Quanto a este espinho, a KJV em português menciona em sua pg 430 ref. 3: "muitas são as conjeturas e especulações acerca da natureza desse espinho na carne, que afligia permanentemente a pessoa do apóstolo e o fazia se sentir fraco e humilhado. Paulo, no entanto, jamais foi claro sobre isso nas Escrituras, nem seus discípulos e amigos. Para Lutero, se tratava das constantes perseguições; especialmente por parte dos judeus, seus próprios irmãos, aos quais Paulo dedicava tanto amos (Rm 9.3). De fato, nos textos hebraicos do AT, o termo espinhos pode significar também inimigos (Nm 33.55; Js 23.13). Por outro lado, esse fora o espinho na carne do próprio Lutero em sua luta pela Reforma. Paulo teve muitos sofrimentos físicos, padeceu de malária (Gl 4.13), doença que muito lhe prejudicara a visão (Gl 4.15) e de fortes enxaquecas. Isso, sem falar de todas as lutas espirituais e psicológicas que um servo de Deus da estatura de Paulo certamente enfrentou. "

Paulo não confiava em si mesmo, sabia que a sua natureza humana é fraca (Gl 4.13,14). No entanto, não esmorecia diante de falsos mestres, diante da apostasia de alguns nem das traições ministeriais, como as de Alexandre, o latoeiro e Demas. Ele persistiu, sofreu pela fé em Cristo Jesus. Hoje vemos muitos supostos apóstolos em rede nacional, em megatemplos...mas será que estes estão dispostos a sofrer como o apóstolo Paulo? Será que estes estão dispostos a se desfazer de seu status, de seu luxo e servir a Cristo sem receber nada em troca? Estes possuem as marcas de Cristo? Resistiriam os novos apóstolos a uma perseguição verdadeira, onde ou nega a Cristo ou morre? Esse foi o fim dos verdadeiros apóstolos e discípulos de Jesus. Pedro foi crucificado de cabeça para baixo, por não se achar digno de morrer como o Senhor Jesus; Paulo foi decapitado; Tiago, o Maior, foi decapitado; Felipe foi crucificado; Mateus foi traspassado por uma lança; Tiago, o Menor, foi espancado e apedrejado, e teve seu crânio quebrado com golpes de varapaus até morrer; Matias, substituto do iscariotes, foi apedrejado e decapitado em Jerusalém; André foi crucificado em uma cruz que possuia suas extremidades apoiadas no chão em formato de X; Marcos foi arrastado e despedaçado em Alexandria; Judas tadeu foi crucificado; Bartolomeu foi açoitado e crucificado; Tomé foi atravessado por uma lança; Lucas foi pendurado em uma oliveira pelos idólatras gregos; Simão Zelote foi crucificado; João não morreu de morte violenta, mas sofreu torturas, como ser lançado em um tacho de azeite fervendo, saindo ileso pela Providência do Senhor. Como vemos, eles sofreram, são dignos de serem chamados apóstolos. Hoje além de não fazermos um milésimo de % do que eles fizeram, não sofremos nada, pelo contrário, vivemos no luxo, no comodismo. É hora de despertarmos, de verdadeiramente suar a camisa, batalhar em prol do Evangelho do Senhor Jesus, em lágrimas, dores, perseguições. Precisamos de fato voltarmos ao primeiro amor, antes que Ele volte e retribua a cada um de nós segundo o que tivermos feito - se é que temos feito alguma coisa. Hoje a perseguição que se vê não é perseguição. Um irmão não pode fazer uma crítica construtiva ao ministério de outro que o criticado se sente ''ofendido''...vá se converter!!Quem és tu para se sentir perseguido apenas por uma crítica..se alguém exorta ou critica é porque ama, quer o bem, quer ver o criticado aperfeiçoar-se...perseguido foram os apóstolos e discípulos...nós estamos num luxo tremendo e não fazemos nada...infelizmente.

Que o Senhor Jesus nos transforme em ''escravos'' dispostos a morrer por sua causa em qualquer momento.

0

Gálatas 5.1 "Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da escravidão."

Ao escrever aos irmãos da igreja na Galácia, Paulo, o "Apóstolo dos gentios'' combatia algo que estava tentando anular a simplicidade do Evangelho do Senhor Jesus Cristo ensinado aquela comunidade cristã. Judaizantes tentavam misturar ''legalismos e preceitos de homens'' a Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, tentando levar os gálatas novamente aos princípios judaicos e suas observâncias (datas, vestes, circuncisão e outros preceitos). Ah se Paulo estivesse entre nós nestes dias onde ''a onda apostólica'' cresce tentando submergir a Verdade do Evangelho. Certo dia, ao visitar uma ''neoapostólica'', seu dirigente ''neoapóstolo'' bradava como um leão do púlpito, dando ''ordenanças'' a seus ''discípulos''. Sim, o cara não ensinava a Palavra que Liberta, mas simplesmente ''ordenava'' seus seguidores. Em dado momento, movido por um emocionalismo (na verdade, desejo de controlar) ele bradou: "na igreja tal (citou o nome de sua denominação) é proibido namoro entre adolescentes''...em primeira instância, até que elogiei em mente a atitude do neo, mas depois, esmiuçando e meditando naquilo, vi como estava enganado. O mesmo não aconselhava seus jovens, ''ordenava''. Após algumas observações, constatei que não era apenas nos relacionamentos que o neoapóstolo interferia: ele aconselhava e ordenava em todas as áreas da vida: inclusive se um de seus ''neodiscípulos'' possuissem projetos em suas vidas, o neoapóstolo dava seus palpites e jogava como que ''piadas'' tentando interferir na decisão da pessoa. Até no empréstimo o cara dava palpite. Sim vi e ouvi com meus próprios olhos. Além disso, achei tremenda má educação como o ''neoapóstolo" se referia à outras denominações e a pastores pertencentes a estas. Povo de Deus, estejam alerta. Você foi chamado para viver uma liberdade em Cristo. Não liberdade em pecado, mas liberdade em servir a Deus, em crer nas verdades do Evangelho do Senhor Jesus. Você foi escolhido pelo Senhor para viver uma vida em plenitude do Espírito Santo, uma vida alegre, liberta de toda escravidão, de toda religiosidade ou jugo.Cristo Jesus não se colocou na condição de Servo na Cruz para te fazer virar ''uma marionete'' de ninguém.

Infelizmente, em nossos dias, a liberdade que o Senhor nos deu para servi-LO e adorá-Lo está sendo aos poucos ''coberta'' com essa onda apostólica. Assim como Paulo bradou aos da Galácia, eu brado neste momento ao povo de Deus que aos poucos está se tornando escravo deste sistema, disfarçado de apostólico, mas que visa privar o povo da liberdade de viver totalmente na presença de Deus. Saiba de uma coisa: o único Mediador entre Deus Pai e os homens é o Senhor Jesus (1 Timoteo 2.5). Eu e qualquer outro irmão/irmã, pastor, obreiro, podemos ajudá-lo em oração, mas somente Jesus intercede por ti junto ao Pai, pois foi Ele quem te comprou através do sacrifício na cruz. você não é mais escravo de sistema nenhum, mas de criatura passou a ser filho de Deus, livre do pecado e de qualquer ordenança religiosa.

Aproveite, glorifique ao Senhor em sua vida por essa liberdade que você possui, e não deixe que ninguém te prenda com nenhuma filosofia ou nova teologia.

5

Efesios 4.14,15: Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.

Vivemos dias onde o Evangelho foi misturado com algumas práticas mundanas. A moda invadiu a igreja e o coração de muitos crentes. Além disso, hoje cada grupo segue uma linha de entendimento que bem lhe cabe. As pessoas não buscam seguir padrões bíblicos, mas sim doutrinas humanas, fundamentadas em ensinos e influencias demoniacas. É preciso acordar. Sim, pois muitos estão dormindo. Acordar para a Palavra. Hoje a maioria dos cristãos não sente prazer em estudar a Palavra de Deus, em orar, em viver de acordo com os padrões santos - hoje cada um tem seu ''guru'', seu ''profeta'', e aqueles que são contra esses modismos e ventos, são escrachados de frios, carnais, céticos, como se crer e viver a Palavra de Deus fosse algo errado. Vemos de tudo hoje. As pessoas não crêem no Senhor, crêem em homens e mulheres "ungidos". A Biblia é um livro místico para alguns, e digo isso com vergonha, pois os próprios "crentes" tem feito isso. A Palavra é deixada de lado, e os ''aventureiros do vento'' saem atrás de ''novos ungidos'' e suas filosofias. E quando vemos, o povo está desviado, distante das verdades bíblicas, e a um passo do inferno. Além disso, os ''ungidos milagreiros'' adoram presentes, elogios (a exemplo de Geazi), mas quando são criticados, vomitam ódio, demonstrando os verdadeiros frutos.
Ou o povo que se diz ''crente'' se converte ou não sei o que acontecerá.